© 2015 por Clinica Politano

 

O principal motivo de atendimento nos consultórios do ginecologista e obstetra são as infecções na região genital – vulva, vagina e colo uterino - decorrentes de processos infecciosos ou inflamatório em resposta a fatores como diabetes, gestação, uso de antibióticos e outros ou por alterações da imunidade, hábitos de higiene e vestuário.

 

O que caracteriza um corrimento? 

O corrimento normal é em pequena quantidade, sem cheiro intenso, que não provoca ardor e nem prurido (coceira). A secreção varia em aspectos e quantidades de acordo com o período do ciclo menstrual , na relação sexual (“aumento de lubrificação”) e durante as atividades físicas (exercícios). Quando ocorre desiquilibrio do microbioma vaginal (“flora vaginal”) a secreção muda suas carcterísticas tornando-se mais abundante, com coloração branca ou amarelo-esverdeada e com odor intenso.

 

As caracteristicas do corrimento podem sugerir qual a causa mais provável? 

Sim. Na candidiase que não é de transmissão sexual é frequente em resposta ao uso de anticoncepcionais orais, diabetes, gestações , uso de antibióticos e se apresenta com uma secreção espessa , de cor branca (“aspecto de queijo fresco”), sem cheiro particular e associada com ardor ao urinar e prurido (coceira) vulvar. Na vaginose bacteriana ocorre um desiquilibrio da “flora vaginal” e com a proliferação de bactérias nocivas ao ambiente vaginal ocorre o aparecimento de um corrimento fino, com odor “de peixe” e que se exacerba nas relações sexuais. Outras infecções ou inflamações do meio vaginal se apresentam com caracteristica próprias que faz o medico pensar no agente causal.

 

Quais são as principais fatores que podem provocar um desiquilibrio da "flora vaginal"? 

O pH (grau de acidez do meio vaginal) é de 3, 8 a 4,5 e se altera durante as fases da vida da mulher (infancia, menacme, climatério, menstruação gestação e puerpério) ficando dessa forma a vulva e a vagina mais propicios a ação de fatores externos como, uso de anticoncepcionais orais (“pilula”) e antibióticos, relações sexuais, duchas vaginais, erro de higiene local (“excesso ou falta”) uso de roupas apertadas ou sintéticas e absorventes externos perfumados, stress e habitos sexuais de risco.

 

Como se faz o diagnóstico do tipo de corrimento? 

O diagnostico inicialmente é feito pela queixa do paciente sempre lembrando a importância de informar ao medico os hábitos sexuais (por exemplo, se a relação é com “camisinha” ou não) e de higiene e vestimenta que podem sugerir a causa . O exame ginecológico para avaliar as caracteristicas da secreção é importante, mas os ultimos estudos tem demonstrado uma falha e recorrência de vaginites e vulvites quando o tratamento se baseia apenas no aspecto do corrimento, por essa razão o “padrão ouro” é a realização do tratamento sómente após o diagnóstico laboratorial da etiologia.

 

Como se tratam as infecções/inflamações vaginais? 

As vaginites e as vulvites devem ser tratadas com medicamentos especificos. O tratamento depende da identificação da causa e pode ser realizado com antibioticos, anti-fungicos, ou antiparasitários por via oral e/ou associados a aplicaçòes locais sob a forma de crèmes, pomadas ou óvulos.

 

É possível prevenir as vaginites e as vulvites? 

Nem sempre pois `as vezes estão associadas a determinados fatôres (por exemplo, diabetes e gestação) ou decorrentes do uso de antibióticos para tratamento de outras enfermidades. No entanto, alguns cuidados podem ser úteis para evitar a recorrência como, ter relações sempre com uso de preservativos e estar atentos aos hábitos de higiene e vestimenta.